Poeta Abraão Marinho
Fracassado não é aquele que perdeu uma luta, mas aquele que desistiu da guerra.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

CAPÍTULO 1
 
No silêncio da madrugada, num sopro um tanto invisível dentre as estrelas que flutuavam nos céus, havia nas cinzas das nuvens uma poeira que rabiscava um espelho, que no soluço da chuva reverberava nas rochas um tremor da tempestade que estava por vir. Os pássaros e demais seres vivos estavam acoplados nos oceanos de suas mentes e temiam uma incógnita para o fim de suas vidas, metaforizada na tempestade que chegara há segundos.
Uma mensagem por meio de uma energia trouxe ao mundo uma nova forma de compreender a conexão entre os seres, e nessas misturas as concepções da vida surgiram, George se interessava pelo estudo do universo, da cultura, das artes, da história, da filosofia; sempre que possível inventava em sua mente um universo paralelo para escapar da realidade, observara há tempos que não se encaixava com o padrão, segundo ele, de jovens medíocres, superficiais, que somente formam grupos para obedecer a um comando que padroniza a todos um estilo robótico, tirando-lhes a essência. Ao caminhar nas nuvens, vira que havia algo não fazia sentido, que por mais que ele permanecesse ignorando não sairia de sua cabeça tão fácil.
A virtuose sondava-lhe a visão, porém ele não acreditava em qualquer utopia, eis o fato de ser tão diferente entre as pessoas de sua idade; ao chegar à esquina de seu pensamento, George se encontrava em um castelo medieval, com subentradas para diversas histórias, finalizava perdido em uma ilha conversando com um leão e construindo algum barco para voltar para casa, o oceano estava muito agitado, e por vezes não se afogara, não porque as águas cobriam-lhe o corpo, mas pelo medo que ele tinha de cair, fracassar e acabar esquecido, incompreendido e estraçalhado pela própria ignorância, ou talvez pela imaturidade de não compreender o destino de seu barco.
Soube ele que na cidade ao lado houvera algo inédito: parecia que os bichos tinham expulsado o dono de uma fazenda e viviam agora sob a tutela de um porco, George tentara imaginar como pudera acontecer algo tão fantasioso, mas veio um condor à sua janela e lhe contou toda a história, resumindo-se na frase absurda de quem mais “pensara” no bem-estar dos companheiros: todos são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros. Sob a ótica do animalismo, o mundo seria muito mais desigual e sangrento, isso inspirou George a testar o seu cachorro Winston, porém nada disse por desprezo a esta realidade e um silêncio abissal titubeou a curiosidade, esse cachorro era mais inteligente que muitos que acreditavam nas fantasias!
Winston era de uma espécie rara, era alto e com certeza o melhor amigo de George. Ao andar pelo obscuro da casa, encontrou nos fundos um pedaço velho de papel e levou ao seu amigo humano, que logo esboçou em seu rosto uma emoção; tratava-se de um escrito que lhe chamara atenção pelo alto grau de complexidade:
 
Acorde-me desta aflição quando o outono
Abrir a fronteira das flores que estavam mudas,
Quando a chuva inundar a alma dos moinhos
Da tempestade que destruiu o segundo em que
Meus olhos enxergariam as cores do ódio.
 
O que fazer diante de palavras tão enigmáticas? Talvez a tempestade que chegara há segundos tenha alguma coisa a ver, ou o sentido de tudo está baseado em um eterno por quê. George conversava com Winston por não ter outra pessoa que o entendesse, talvez Winston fosse apenas a sua imaginação. Derradeira era cada passagem de conhecimento que George obtinha em seus estudos por meio da solidão e do silêncio de seu quarto, com suas paredes cavernosas e escuras, onde seus pensamentos fluíam e dedicavam odes ao que mais havia de bonito no universo; quer seja na área da literatura, quer seja na área musical, porém George não conseguia escrever, lia diversos poemas, conseguia interpretá-los, mas não fazia algo que desse para se chamar de poema. Este papel que estava sobre a sua mesa de madeira rústica traduzia boa parte da vida do jovem, que com apenas catorze anos sonha em ser escritor, poeta e filósofo, certo de que não importa as dificuldades que a vida irá trazer, não importa quão o oceano esteja agitado, não importa, aprendeu isto com seus pais antes de serem assassinados pelo regime de opressão que primeiros os tomou as armas, depois a comida, e antes de George sofrer as consequências, sua mãe o colocou em uma caixa num embarque para bem longe dali, porém subitamente ele foi parar em uma floresta com animais ferozes, dentre eles um leão que cuidou dele até os sete anos.
A partir dos sete anos George lutou sozinho e conseguiu uma carona em um metrô para uma cidade desconhecida onde ele passou por várias dificuldades, morando na rua, com fome e juntando no lixo alguns livros para ler (isto mesmo, o leão juntamente com sua família alfabetizou o menino). Aos dez anos conseguiu encontrar uma casa abandonada na Rua Infinite Highway (na encruzilhada com um abismo), casa essa onde está agora, olhando pela janela o movimento de almas vagando naquele sertão urbano, naquela tarde nebulosa, com a chuva caindo lentamente nas gramas do jardim que ele não tinha. Relembrando do aprendizado que teve ao entrar em contato com a história de seus pais, abraçara Winston e chorara em uma agonia, que se transportada a uma música clássica, nenhum Réquiem chegaria perto de tanto sentimento.
Por incrível que pareça, George não punha a culpa de seus fracassos em quem era bem-sucedido, já conseguira parar de ver apenas os reflexos e ousou sair da caverna, no centro da cidadezinha de Pedras conseguiu um pequeno emprego em uma loja com artigos medievais, assunto para ele, indispensável tendo em vista a base da civilização ocidental, como todo bom conservador, George acreditava que hão de conservar-se o que há de bom e consertar-se o que há de mau. Seu chefe, o senhor Beethoven, o ajudara financeiramente, com alguns alimentos, roupas e um salário semanal de trezentos dólares. George pouco saía para festas, sentia-se em uma guerra cultural onde o principal objetivo era destruir as bases da civilização ocidental, sendo assim, mais fácil a explicação das inversões de valores, um pensamento de inveja e ódio a quem mais produz, lembrando exclusivamente do que ocorrera na fazenda, na cidade vizinha.
George era excluído em sua escola, e já com quinze anos começara a preparar-se para a faculdade, discutia com todos que ousassem tentar incutir na mente das pessoas suas ideias cruéis por meio de palavras bonitas, de sofismas baratos, e isso o fazia ser chato e para muitos, um velho. Vivia viajando em seus próprios pensamentos e maquiando algumas dificuldades pelas quais ainda passava, mas adotara uma velha máxima (um dilema): as coisas boas hão de serem superiores às ruins, e isso se repetia constantemente nos dias mais difíceis.
Na biblioteca municipal de sua cidade, George se esbaldava na leitura de livros de todos os temas, inclusive até sua vida parecia uma ficção, uma vez ele conseguiu encontrar um livro que o inspirou ainda mais a enveredar no caminho da literatura, tratava-se de um livro de poesias de um autor com um pseudônimo: Sir Cavalcanti, com a obra Muito além das palavras, eis a poesia inicial:

FÜR BLUME
 
Estás a olhar-me no polor da armadilha,
Alçando-me o peito do fragor acachapante,
A tez dos teus olhos, a acácia mais errante,
O ósculo perfeito, indolor que exaspera a lira.
 
Das perfídias cáusticas do teu riso,
A prole da tempestade vigente no esboço;
No rosto refletido no espelho o resquício
Dos tempos em que meu verso a ti era posto.
 
As lágrimas da chuva secam teus olhos escuros,
A aurora da madrugada leva-me ao pensamento,
E dele, resgata teu desejo do abismo mais puro.
 
Ouves levemente a voz cálida de minh’alma
Confortando-te a agonia desta noite sem vida:
Encontrar-nos-emos um dia, em paz, no silêncio.
 
Sir. Cavalcanti, Inglaterra, 1909.
 
Lendo esta poesia inicial, os olhos de George começaram a desmoronar, e uma ideia surgira bem no fundo de sua alma, quase intercalando entre a razão e a emoção. Este soneto representava muito bem as palavras não ditas por George, até a maneira de escrever, o título PARA A FLOR o deixou com uma dúvida imensa: Quem será a moça que despertara este desejo tão sublime no autor?
George levou até Beethoven este poema, e perguntou-lhe:
– Conhece este poema, senhor Beethoven?
Beethoven, um pouco assustado, concomitante às lembranças, disse:
– Sim, eu declamei a minha querida e falecida Jane...
Surpreso, George indagou:
– Quem é Jane?
Vagamente, o senhor Beethoven com os olhos permeados pela saudade, respondeu-lhe:
– A minha esposa, a amei intensamente. Eu servi à KGB, passei pelo processo de Dezinformatsiya, presenciei a necrofagia política, nada podia fazer, mesmo sabendo que estava sendo cúmplice pela morte de milhões de pessoas na tirania soviética, estava acorrentado pela cortina de sangue. Um dia, infiltrado para colher informações da CIA nos EUA, conheci Jane, uma bela americana. Ela era loira, com cabelos lisos e longos, lábios macios, corpo exuberante, mas algo me chamava muito mais atenção: os seus olhos, apesar de verde-azulados eram como o azul dos céus, tão profundos quanto o oceano, quanto qualquer abismo. Depois que nos casamos, consegui cidadania americana, e aconteceu uma tragédia. Descobriram meu paradeiro, e quando eu não estava em casa (estava viajando a trabalho para Washington) os agentes soviéticos entraram em minha casa e assassinaram minha esposa. Nosso casamento durou seis meses e ela estava grávida, desde lá não consegui ter mulher, nem filhos...
George ficou parado por cinco minutos, sem saber o que falar, com as pernas trêmulas, imaginando toda a situação, e só conseguiu fazer uma única pergunta:
– Como o senhor veio parar aqui na Inglaterra?
Ele tremeu-se, e preocupado, respondeu:
– Segredo da velha guarda.
Interessou-se pelo capítulo? Leia o resto!
Abraão Marinho
Enviado por Abraão Marinho em 12/09/2019
Alterado em 12/09/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.poetaabraao.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários